CHUCK BASS: DANDY MODERNO


Jovens milionários vivendo em Nova York. Adaptado dos livros de Cecily von Ziegesar, o seriado de tv Gossip Girl entrou para história da televisão e da moda. Seja através do luxo Upper East Side ou o street style do núcleo de Brooklin, a produção hipnotizou os espectadores por anos com os figurinos, e com um olhar atento, a referência do cinema fica clara nesse sentido, para além dos devaneios cinematográficos de Blair e os títulos de episódios.

A criação dos personagens nascem sempre de referências, esses evidentemente, irão variar: pode ser alguém do ciclo pessoal do escritor, uma personalidade famosa, da literatura, e mesmo de um grande recorte de várias criaturas. Não existe uma regra, e bem como assim é para a criação inicial - no papel, digamos assim - no momento de destrinchar, decupar, as características desse personagem e transforma-las em um guarda roupa que represente essa persona, também ocorrem inspirações em outras figuras. Saltando certos detalhes como a questão de ser uma adaptação, e também as distintas referências que podem ter sido usadas pela escritora e depois para os criadores do show, veremos aqui como que o cinema influência e auxilia no desenvolvimento estético da personagem.

Dentre os protagonistas, acreditei ser interessante trazer Chuck Bass, pois é um personagem carismático, de estilo forte, e o qual suas raizes talvez sejam menos evidêntes do que a de Blair (alá Audrey Hepburn) e Serena (como Kate Moss). Chuck, que no livro é um personagem secundário, ganhou destaque inegável através do ator Ed Westwick e caracterização do figurinista Eric Daman. Seu guarda-roupa se modifica ao longo das temporadas, acompanhando seu amadurecimento com criatividade e estilo.

A base inicial de Chuck é o preppy, uma tribo urbana clássica referente a adolescentes de alta classe que frequentavam escolas preparatórias, e seus uniformes colegiais mais requintados que marcaram a moda desse estilo.




O gênero se popularizou muito pelas mídias, com alguns filmes que traziam essa categoria em destaque, como por exemplo Clueless (As patricinhas de Bevely hills - 1995) e Love Story (Uma história de amor - 1970).

(filme: Love Story - 1970)

O preppy é bastante trabalhado na verdade em todos os personagens, pois estão inseridos em um contexto de escola preparatória de luxo, sendo que essa referência em Chuck (e também em Blair)aparece como base do personagem devido a sua personalidade inicialmente esnobe e arrogante. Ou seja, além da referência em um contexto real, que é desses jovens estudantes ricos - no passado e presente na série - nos filmes eles são articulados como pessoas futeis ou que são vistas como pessoas futeis, e ao longo da história se transformam, ou devido a entrada de um outro personagem o espectador passa a conhecer-lo como alguém simpático e humilde. De qualquer forma o significado desse estilo esta atrelado a riqueza soberba, que seja para uma transformação futura, para uma perversidade ou mesmo humor, são vestuários que falam por si próprio.


(Filme: Clueless - 1995)

Outra forte referência é o estilo Sport Wear dos anos 20-30, época que trajes esportivos como pulôveres xadrez sem manga, ternos de tweed, calças de tecidos diferentes, começaram a ser usados para ocasiões casuais, não apenas às atividades físicas em si.







Apesar de não apresentar esses sportwears, e se focar mais nos ternos e trajes sociais, um filme que mostra esse período maravilhosamente é "The Great Gatsby" (1974). Evidentemente é preciso ter em mente trata-se de uma representação cinematográfica, com intenções narrativas, e o luxo e a riqueza sendo parte da trama se refletem na direção de arte e figurino com uma intenção de comunicação visual específica. Além disso, o filme é produzido na década de 70, existindo naturalmente um certo "filtro" nesse olhar do que é os anos 20, dentro da perspectiva de trajes e costumes no qual a década de 70 se encontrava.

De todo modo, a figurinista Theoni V. Aldredge cria com a marca Ralph Lauren um dos homens mais bem vestidos do cinema. O contexto muda, mas podemos perceber uma forte conexão estética entre Jay e Chuck, que com o passar das passar das temporadas passa a usar trajes mais voltados para o lado empresarial; já que tem seu pai como referência de vida, e logo assume o gerenciamento de seus negócios e do Hotel Empire.


Jay Gadsby

Jay Gadsby

Jay Gadsby


Chuck Bass


Chuck Bass

Nessa conexão entre o figurino dos personagens percebemos a referência de moda dos Dândis (ou dandismo), que tem início no século XIX; período que a Inglaterra passa a nortear a moda masculina. A figura que inspira esse estilo é George Bryan Brummell (1778-1840), que adotava uma forma de se vestir elegânte e sem excessos de ornamentos:

"O famoso Dândi britânico, apelidado de Beau Brummel (Belo Brummel), usava cartolas, gostava de casacas azul-marinho, camisas brancas e calças claras. (...) influênciou os homens de sua época a usarem roupas com corte mais simples, incrementadas com golas, laços de gravatas elaborados e botas de montaria. Lançou também a moda das calças cumpridas, substituindo os culotes (breeches em inglês)(...)" (SABINO, Marcos. 2011. A História da Moda)

Importante perceber que essa maior simplicidade tem como referência o período de tais mudanças, ou seja, é distinta do que hoje vemos como uma moda simples. Naquele contexto em que os vestuários eram extremamente elaborado, a proposta que o dandismo tras é uma limpeza de excessos. De todo modo, esse estilo foi obtendo seus retornos e releituras ao longo do tempo, dois exemplos são justamente os personagens Gadsby e Chuck. Enquanto o primeiro apresenta as características da moda Dândi nos anos 20 (em um filme realizado nos anos 70), o segundo possui extravagância ainda maior, já que é um dândi contemporâneo, e possui um intervalo ainda maior do período original, gerando maior contraste contextual.



(Dândis contemporâneos)

Chuck é um dos personagens de estilo mais clássico, com uma releitura super moderna e cool, podendo ser lido como o Dandy Contemporâneo. Cortes perfeitos, elegante, sempre impecável, faz uso de acessórios extravagantes, como os suspensórios, lenços de bolso, sapatos oxford estilizados, gravatas longas e borboleta, entre outros.

As cores são essenciais, montando diversos tipos de combinações: color blocks, peças coloridas ou finalizando nos detalhes. Quando a situação é mais sóbria, ele usa um acessório mais carregado como chapéu, luva, sobretudo imponente.

É possível trazer à luz muitas figuras masculinas que apresentam figurinos de muita personalidade, seja no cinema ou televisão, e seja pela extravagância ou elegância mais clássica. Certamente Chuck Bass não é o precursor da criatividade masculina na moda, porém Eric Daman e Ed Westwick decerto deram vida nova a auto expressão e liberdade para o guarda roupa masculino de nosso séculos e cultura.

39 views0 comments